(Todos os direitos reservados ao abrigo do código de autor)

sábado, 17 de setembro de 2011

Energias em colisão...







Quando me vir na sua frente
O olhar de forma carente
Sem o deixar aproximar de repente
Nem tocar neste presente
Vai-se arrepender, por não querer

Com uma foto sua me surpreender 
Sabendo você o que estou a sofrer 
Por não o poder ter

Vossa excelência tem medo de mim
Por o desejar tanto assim 
Por o querer desta forma sem fim 
Tem medo deste nosso frenesim

Garanto que seria brutal 
Fluiria de forma fenomenal 
Completamente fora do normal 
Seria notícia de jornal

Quando me vir despir
Sei que irá sentir 
Seu medo ruir 
E vontade apenas de me curtir

Não está no seu controle
Essa vontade que eu o viole
Sua mente parece um fole
Ele está tudo menos mole

Pode tentar resistir 
Pensar de mim fugir 
Mas sabe que se está a destruir
Enquanto não me conseguir sentir

Há químicas sem explicação
Momentos que de pura excitação
Energias em colisão 
Que  se podem chamar de paixão


Sem comentários:

Enviar um comentário