(Todos os direitos reservados ao abrigo do código de autor)

quinta-feira, 9 de julho de 2015

Abracei-te...


Como tantas vezes faço, fui ao campo, ver de perto a beleza da Natureza na sua forma mais pura. Contemplei e observei mais uma vez, cada pormenor com o amor e admiração que merece a mais bela obra do Universo que o Ser tanto insiste em destruir.

Cheguei, sentei e chorei…
Como é bom chorar e dentro de nós limpar, tudo o que dentro de nós não pode ficar.
Levantei-me, abracei-te e gritei tudo o que me ia na alma, até sentir dentro de mim a calma que preciso para poder continuar a caminhar.
É…!!! Abracei-te. Senti-te. Senti a tua energia.
Aprendi com um amigo que se fosse falar contigo, ficaria tudo mais fácil.
Gosto de te tocar, fechar os olhos e imaginar tudo o que a minha mente precisar, para com a tua energia se curar.
Fiquei contigo horas a desabafar, contei-te tudo o que havia para contar e ao pé de ti consegui meditar, até a mente me mostrar no que devo acreditar e em quem posso confiar.
Contigo percebi, como é bom tudo e a todos perdoar.
Fiquei contigo horas a perguntar o que fazer para não sofrer pelo que o meu coração está a querer e só tenho que agradecer por me teres ajudado a resolver.
Esta calma, que agora me invade a alma, deu-me a certeza que não devo desistir nunca de nada do que estou a sentir e deu-me forças para continuar, para deixar apenas fluir o que acontece neste meu existir, sem nunca de nada pensar em fugir.
Cada tronco velho teu é uma história minha, que como tu mantenho comigo, sem o conseguir arrancar, pura e simplesmente porque faz parte da história da gente.
Mas tal como tu, tenho o privilégio de troncos novos no tempo nascerem e trazerem consigo novas folhas, novos frutos, que tal como tu alimento através do que sou, através das minhas raízes.
Troncos que se mantém vivos e em mim querem ficar, troncos que apodrecem porque de mim não se sabem alimentar, para se manterem e poderem ficar.
Mas todos fazem parte do nosso crescimento, da nossa evolução e da nossa existência.
Respirei mais uma vez o ar que te rodeia. Senti mais uma vez a tua energia ao tocar-te de novo e com um último abraço de agradecimento despedi-me de ti, por agora, na certeza de que aqui vou voltar muitas vezes para contigo de novo desabafar.
És a árvore mais linda do mundo e agora a minha árvore também.
Guardas contigo tudo o que sinto, tudo o que penso e tudo o que sou e sei que jamais me irás abandonar ou trair…
Eu sei que também me amas…!!!

Susana Bastos
16 de Junho de 2015
(Todos os direitos reservados ao abrigo do código de autor)

Sem comentários:

Enviar um comentário