(Todos os direitos reservados ao abrigo do código de autor)

terça-feira, 6 de setembro de 2016

Tenho que ir...



Nunca mais te direi, amo-te!
Nunca mais me vais voltar a ouvir dizer, o que tantas vezes te disse e tu não quiseste ouvir.
Disse-te tantas vezes que um dia ia ser tarde e tu nunca acreditaste.
Agora sou eu que não acredito no que estou a ver e ouvir. Como te atreves?
Depois de tudo o que chorei, depois de tudo o que sofri e contigo insisti, apareces agora aqui, para dizer que afinal me amas. Que tudo vai mudar. Que tudo vai ser diferente. Que sou a mulher da tua vida e não consegues viver sem mim.
Esquece.
Esquece-me.
Agora é tarde!
Agora já não quero e não preciso mais do teu amor.
Um amor que tanto desejei, que tanto esperei e que nunca deste valor.
Um amor que transformaste em dor sem dó nem piedade, em nome do teu ego, da tua vaidade.
Agora é tarde, meu amor!
É tarde para mim, é tarde para ti aqui.
Agora é tarde para nós!
Tu e eu… Interioriza que é passado, ponto final.
Agora eu, só quero viver o presente e tu não tens lugar nesse lugar para onde vou, ser realmente quem sou. Ser finalmente feliz como sempre quis.
Tudo tem um limite e tu ultrapassaste todos os limites que o meu amor podia aguentar. Não tenho mais como te aceitar, acho mesmo que não tenho mais como te amar, mesmo que ainda te ame.
Agora se não te importas, tenho que ir…

Susana Bastos
(Todos os direitos reservados ao abrigo do código de autor)

Sem comentários:

Enviar um comentário