(Todos os direitos reservados ao abrigo do código de autor)

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

Ninguém é de ninguém...




Ninguém é de ninguém 
Mas há quem ache porém
Que se consegue ter alguém
Nem que seja seu refém
No amor ou na amizade

Quando o sentimento é de verdade
O importante não a saudade 
Mas a certeza da veracidade
Há quem viva na ilusão 
Que para manter uma relação
Basta não por nada em questão 
E ultrapassada a confusão
Mas o tempo é soberano 
Suga o sentimento até ao tutano
Para provar ao ser humano 
Que não vale a pena viver do engano
Há momentos que às vezes ditam 
Aquilo em que alguns acreditam 
Mesmo sabendo quando meditam 
Que já nada é como premeditam
Querem acreditar que ainda está vivo 
Aquele lugar cativo 
Que até ali podia ser significativo 
Mesmo quando há outro alternativo
Seja no amor, na amizade ou na paixão
Temos que ter sempre a noção 
Que nada está na nossa mão 
Mas dentro de cada coração 


Sem comentários:

Enviar um comentário